Projeto aproxima e fortalece movimento de inovação na região de São Lourenço do Oeste




Com a proposta de fomentar a construção de uma matriz de potenciais demandas de inovação para as empresas da região, mais uma etapa do projeto Movimento Inovação foi realizada, nesta quinta-feira (31), na Associação Empresarial de São Lourenço do Oeste (Acislo). O projeto, que envolve empresas, associação e instituições de ensino, pesquisa e desenvolvimento, é uma iniciativa da Unochapecó em parceria com a Acislo, a Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina (Facisc) e o Sebrae/SC.

Carlos Eduardo Negrão Bizzotto, ex-presidente da Rede Catarinense de Incubadoras, ex-diretor de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico Sustentável da Prefeitura de Florianópolis e um dos autores do modelo de Incubação CERNE, foi quem conduziu a formação com o objetivo de aproximar empresários e pesquisadores, formando  networking e integração para alavancar possíveis projetos de pesquisa e mercado.

Lembrando que se trata de um projeto piloto, Marcio Nierotka, presidente da Acislo, afirma que é um momento de aproximação entre empresas e universidade, onde há a possibilidade de desenvolvimento de novos produtos. “É uma parceria onde as empresas colocam em pauta as intenções de lançamento de novos produtos e a universidade, com sua capacidade técnica, estrutural e intelectual, ajuda no processo de desenvolvimento”, explica afirmando que essa oportunidade surge num momento de transformação na área de inovação.

Nierotka reforça que hoje, com a competitividade e exigência do mercado, não é mais possível fazer e criar novos produtos de maneira empírica. “Hoje existe um aparado técnico que nos permite, antes do lançamento, estudar e testar o produto”.

Apesar do projeto já estar andando, o presidente da Acislo explica que empresas interessadas ainda podem conhecer e participar do programa. “Estamos a disposição para ajudar e contribuir com os empresários”, disse frisando que este é um plano que está aberto e pode ser aderido por pequenas, médias e grandes empresas. Segundo ele, dúvidas podem ser esclarecidas diretamente na associação.

Projeto
Já realizada, a primeira fase do projeto consiste na motivação de empresas e de pesquisadores para a participação do arranjo e da realização de projetos de inovação. A segunda fase, iniciada nesta quinta-feira (31), é o momento de capacitação das empresas por meio de encontros para trabalhar conceitos, metodologias e fatores importantes para o sucesso do processo de inovação. Os encontros também têm apresentações de cases de sucesso.

A terceira ação será a elaboração de projetos de pesquisa e desenvolvimento para as empresas participantes, valendo-se de colaboradores das organizações, pesquisadores e das estruturas laboratoriais das instituições de ensino parceiras.