Facisc leva reivindicações do setor empresarial à reunião Comitê Econômico desta terça-feira, 19/5




O presidente da Facisc, Jonny Zulauf, participou da videoconferência do Grupo Econômico com o governo de Santa Catarina e entidades empresariais ligadas ao Conselho das das Federações Empresariais (Cofem), Fecam, Ministério Público, Polícia Militar, Assembleia Legislativa, entre outras entidades e instituições. Ele reforçou a importância da municipalização do transporte coletivo. “É necessária a análise individualizada de cada cidade”. A realização de feiras e eventos voltou a ser pauta do presidente. Destacou a relevância das feiras de indústrias e corporativas, que precisam ser retomadas para a continuidade dos empreendimentos.

O secretário pediu à Facisc que organize a reunião com os empreendedores do setor de feira e eventos corporativos para a próxima sexta-feira, 22/5. A deputada Paulinha está coordenando, duas reuniões sobre escola de idiomas, amanhã, e na quinta-feira, 21, será sobre o turismo. O secretário da Fazenda irá participar e discutir com os segmentos. Paulinha destacou que a reunião é justamente para intermediar a questão dos eventos. “O setor gostaria de uma previsão para começar a atuar”. Ela também destacou sobre a linha de financiamento do BRDE que pode ser acionada por empresas com a contratação de garantia no valor de até 80 mil.

O secretário da Fazenda, Paulo Eli, falou sobre o aumento do número de casos do coronavírus. “Temos mais números de casos, pois estamos testando mais”, destacou.

Também falou sobre a volta às aulas na rede privada. “O Sindicato das Escolas Particulares vem solicitando a reabertura, mas ainda estamos estudando”.

Frigoríficos
O presidente do Conselho Superior da Faesc, José Zeferino Pedroso, fez um alerta sobre as agroindústrias. Disse que o que aconteceu em Ipumirim com o fechamento do frigorífico não pode se estender para outros municípios. “O abate sanitário é uma preocupação grande e não pode chegar em Santa Catarina”. O presidente da Fiesc, Mário Aguiar, destacou que se o frigorífico continuar fechado o abate pode chegar a 200 mil aves por dia. “Não esperávamos está intervenção federal”. O procurador-chefe do Ministério Público, Marcelo Neves, destacou itens sobre o relatório emitido para o fechamento do frigorífico. “Tinha número alto de colaboradores infectados, não mantinham distanciamento social, e uso irregular de EPIs. É necessário rever, fazer a tarefa de casa para que não se tenham outros fechamentos como este.

Paulo Eli falou sobre o grande esforço para que as empresas consigam honrar a folha de pagamento.

Transporte coletivo
O assunto foi novamente reforçado pelo setor produtivo. O Cofem e Sebrae-SC fizeram entregaram para secretarias de Infraestrutura e Mobilidade e da da Fazenda, um conjunto de medidas de segurança que permita a liberação do transporte coletivo. Confira mais informações:

Setor empresarial propõe medidas de segurança para o transporte público

Provadores nos estabelecimentos
Ainda sem previsão de liberação. Não há segurança para utilização dos provadores.

 

Clique e confira a declaração do presidente Jonny Zulauf sobre o encontro.