Em Chapecó, Núcleo de Sustentabilidade promove palestra sobre compliance empresarial




Com o objetivo de oferecer informação sobre o tema e sempre trazendo profissionais gabaritados, o Núcleo de Sustentabilidade da Associação Comercial Industrial de Chapecó (ACIC) promoveu, nesta semana, a palestra Compliance Empresarial, ministrada pelo Dr. Francisco Carlos Fernandes. Com mais de 20 anos de atuação na área de compliance e gestão de risco, o professor destacou que esse é um assunto que merece a atenção das empresas.

            “Perenidade é a palavra-chave”, afirmou Fernandes. “Para uma empresa que almeja o sucesso contínuo, esse é o caminho”, reforçou. Segundo ele, este é um assunto importante, por isso buscou apresentar exemplos voltados para a prática, com a intenção de que os empresários presentes possam desenvolver abordagens e encontrar soluções em suas organizações.

            “Esse tema estava no planejamento do núcleo para este ano, pois vem ao encontro da proposta de sustentabilidade do negócio, sendo que aborda também a questão do comportamento empresarial, não somente as normas legislativas”, explicou a coordenadora do Núcleo de Sustentabilidade, Eliana Cansian. “É um assunto que está em voga, queremos que todos tenham acesso e compreendam com clareza o assunto, por isso trouxemos o professor Fernandes”, destacou acrescentando que é necessário os empresários ter conhecimento sobre lei anticorrupção, fraudes, códigos de ética/condutas, contratos, tratados e toda a parte de legislação, não só trabalhista e tributária, mas que compõe toda a gestão empresarial.

            Em sua fala, o palestrante frisou que não param de surgir novas regras. Por isso os empresários, contadores, advogados e outros profissionais precisam encontrar formas de estar sempre atentos a essas novidades. “Não importa o tamanho da empresa, nem o local em que estão atuando. Todas precisam agir corretamente”, reforçou. Ele apontou como solução delegar responsabilidades e indicar pessoas para cumprir com essas obrigações, sempre estabelecendo prazos.

            Entre os requisitos de conformidade apresentados por Fernandes, estão: autoridades fiscais; leis e regulamentos trabalhistas e previdenciários; órgãos supervisores (BC, Susep, CVM etc); regulamentação da atividade (ANS, Aneel, ANA, Anatel etc); conformidade voluntária (ISO 9001, 14001, 37001, acreditação de hospitais etc); e acordos e contratos. “Há diversos elementos que formam o conceito de compliance, entre eles destaco a necessidade, a ameaça e o objetivo”, elucidou.

            Para ele, a solução está na empresa se organizar para garantir a conformidade, por meio de pessoas e responsabilidades, processos e ferramentas. “A atividade de compliance deve ser entendida como um objetivo permanente da organização, o que está alinhado com os propósitos de perenidade e sucesso. Na prática, será necessário preparar a organização para a garantia da conformidade”, concluiu Fernandes.