Associação Empresarial de Içara vai formar jovens aprendizes em parceria com Abadeus




A Associação Empresarial de Içara vai contribuir com a formação de jovens aprendizes em Içara e consequentemente com o desenvolvimento econômico da cidade junto com a Abadeus. O convênio entre as entidades, assinado nesta sexta-feira, dia 30, prevê o uso do ambiente da ACII para os cursos e a preparação dos jovens por meio da equipe da associação beneficente. Além de gerar novos horizontes para os participantes, a parceria vai oferecer desconto de 15% para empresas associadas formarem aprendizes.

O Programa Jovem Aprendiz é baseado na Lei da Aprendizagem criada em 2000 para que jovens a partir dos 14 anos possam ser inseridos com qualificação no mercado. O contrato de trabalho pode durar até dois anos, dos quais, 16 meses são realizados com a qualificação teórica pela Abadeus um dia por semana. Os outros quatro dias são dedicados ao aprendizado nas empresas. A primeira turma será formada por 12 jovens que já estão em capacitação em Criciúma, mas cada turma poderá comportar até 30 participantes.

“Estamos muito felizes com essa parceria. Será uma oportunidade de preparar os jovens para a inserção no mercado de trabalho com a vivência teórica e prática. Esse programa vai permitir também que os adolescentes não precisem se deslocar para outras cidades”, indica a presidente da Acii, Adriana Mara de Oliveira. “Vai ser uma mudança de cultura dentro da cidade, pois os jovens terão uma capacitação voltada ao desenvolvimento humano e profissional, além de contribuir com a transformação e o crescimento da cidade”, pontua a diretora da Abadeus, Shirlei Monteiro.

A Abadeus foi criada em 1960 para amenizar o sofrimento de famílias atingidas pelo desemprego na época por meio da distribuição de cestas básicas e roupas. De 1989 até 2009, a entidade atuou também no acolhimento de jovens e adolescentes desamparados. Atualmente, a entidade desenvolve capacitação profissional, inclusão digital e oficinas artísticas para a construção da cidadania e o rompimento do ciclo de pobreza na comunidade em que está inserida, em Criciúma.